9.12.05

NO INCURSÕES

Suplememento especial a estes dias que passam

Pode-se não gostar do Pacheco Pereira. Mas não ler a impressionante biografia política de Álvaro Cunhal por essa razão é asneira supina e definitiva.
Isto é uma história política do Portugal moderno, ou seja do Portugal de 30 a ...(para já vai até 1960). Se eu fosse o Bernard Pivot de que o José fala num comentário aos "dias que passam" prometeria devolver o dinheiro a quem não gostasse. Não o sou mas teimo em advertir que não percam este 3º volume. São 700 e tal páginas por menos de 30 €. Na Fnac fica por 27.

2 Commentários:

Blogger Velha Guarda said...

Neste momento ainda vou na leitura sobre as purgas.
Mas uma grande paz me invade à medida que prossigo este estudo. Por verificar que a minha história pessoal foi similar a muitas outras, duplamente vítimas do regime que combatíamos e do regime que queríamos contruir.
Por estranho que possa parecer aos novos, no mundo clandestino em que nos movíamos só havia sombras e fantasmas. Esta obra do JPP vem finalmente iluminar a noite em que nos movíamos. Tantos anos depois...
E a mim isto ilumina-me a constatação final de que fui apenas uma baixa, entre muitas outras, da guerra ideológica do século XX.

10/12/05  
Blogger josé said...

Pois por causa desta citação, permito-me interpelar o autor, a quem já tratei "menos bem" num ou outro escrito, apesar de procurar sempre dizer porquê.

Conheço pessoalmente um dos visados no livro e que até lá tem foto tipo passe: o médico Carlos Plácido, de quem já tinha ouvido a história que é contado no livro ( que a minha consorte comprou, a conselho meu e para lhe oferecer...).
Hoje vim a saber notícias sobre o livro e mais algumas coisas...

Como o JPP deve saber, o dr. Carlos Plácido, é pessoa muito modesta, mas de grande dignidade pessoal, particular sensibilidade intelectual e cultura vasta e sólida.
Tenho ouvido algumas histórias sobre os tempos áureos da clandestinidade por quem a viveu por dentro e é sempre um grande prazer conversar com aquele homem que parou num tempo ideológico.

Não obstante, venho aqui para lhe comunicar apenas algo que o médico nunca faria: um dos primeiros volumes, tem algumas páginas em branco...

Será possível remediar, caro JPP?
Sem que se saiba que foi por aqui...claro.

10/12/05  

Enviar um comentário

<< Home